A Influência da Arte e da Filosofia no Aspecto Cognitivo do Processo de Aprendizagem

Autora:Lisângela da Silva Antonini

Nosso principal objetivo nesse artigo é investigar se a Filosofia e a Arte podem ser considerados meios, isto é, fios condutores do processo de aprendizagem e que elementos metodológicos servem de pressupostos para esta visão de educação. Sendo assim, com o que a Arte e a Filosofia poderiam contribuir para o desenvolvimento deste novo enfoque educacional que está se apresentando atualmente, visto que o ser humano, para que possa estar integrado a este contexto, precisa ser competente, autônomo, pensar por si mesmo e ser capaz de enfrentar todas as mudanças que chegam à nossa porta a todo momento.

E a escola, o que tem a ver com tudo isso? Como fica a escola que não se atualiza? Como ela pode contribuir com o seu papel na sociedade? Mas qual seria o papel da escola e da educação neste contexto atual: a reprodução de conhecimentos, o desenvolvimento da autonomia, das competências no ser humano? Para ser competente, o que é preciso desenvolver nas pessoas?

Ao analisar e refletir sobre a influência da Arte e da Filosofia no processo da aprendizagem vem à tona, constantemente, várias perguntas para que possamos investigar, buscar respostas e então compreendê-las melhor. Pensamos que no instante que se propõe pesquisar sobre um tema tão rico de perspectivas, nascem dele também vários questionamentos que nos possibilitam ir cada vez mais a fundo em sua essência, visto que a sua ligação com o ser humano é muito íntima, principalmente no que diz respeito à valorização das potencialidades de cada indivíduo e o respeito pelas suas inteligências e pelo seu processo de desenvolvimento.

Segundo Gardner (1999) a necessidade de se educar para o desenvolvimento das pessoas num sentido amplo e global, percebendo-as como um todo, isto é, há alguém que pensa, que investiga, que sente, que é bom é de grande valia:

“Acredito que três preocupações muito importantes devem animar a educação (...) Há o domínio da verdade – e seu avesso, o que é falso ou indeterminável. Há o domínio da beleza – e a sua ausência, em experiências e objetos que são feios ou kitsch. E há o domínio da moralidade – o que consideramos ser bom e o que consideramos ser maligno”.(p. 14 e 15.).

Nesse sentido a Arte e a Filosofia vêm ganhando espaços cada vez maiores na educação atual. A perspectiva, da união da Arte com a Filosofia como possibilitadores de caminhos de uma educação diferente, mais rica, reflexiva, coerente e profunda vem contribuir para o desenvolvimento pleno das potencialidades das pessoas, através do desenvolvimento de suas múltiplas inteligências, ajudando-as a se tornarem autônomas, a pensar por si mesmas, sendo conciliadoras, flexíveis, capazes de resolver problemas e de decidir a partir de critérios que foram estabelecidos durante o processo percorrido em busca do conhecimento. Inicialmente, refletiremos sobre as contribuições de cada componente curricular em questão, se assim poderemos chamar a Arte e a Filosofia, após levantaremos pontos sobre a união destes componentes curriculares como elementos metodológicos no processo de aprendizagem.

1.1. A Filosofia como meio da educação reflexiva

Partindo do pressuposto que a Filosofia tem como objetivo cultivar a excelência do pensar, sendo elemento norteador do processo de uma educação reflexiva e investigativa, em busca de um pensar cuidadoso, crítico e criativo, poderíamos afirmar que são vários os fatores que precisam ser observados e analisados para que se possa dar suporte para uma Educação para o Pensar.

No texto de Kohan (1999) “Sugestões para Implementar a Filosofia com Crianças em Escolas”, o autor afirma que a prática da Filosofia no dia-a-dia escolar é de suma importância, pois é ela que propicia a arte de pensar através de debates, hábitos e procedimentos desenvolvidos dentro das comunidades de investigação, tendo em vista que esta forma de educar, como metodologia de ensino, pode estar presente em todas as disciplinas, pois o que mais se quer de nossos alunos é que estes partilhem seus conhecimentos e os enriqueçam através de novas experiências debatidas, investigadas e apresentadas coletivamente, dentro de critérios filosófico-pedagógicos e de regras previamente estabelecidas pelo próprio grupo.

Neste texto, Kohan sugere cinco passos para uma “típica” aula de Filosofia com Crianças, onde haveria uma ligação entre estes, formando assim uma rede de conhecimentos, favorecendo um ambiente propício para a comunidade de investigação. Os pressupostos, segundo Kohan, seriam:

a) Atividade prévia ao trabalho textual – A atividade prévia tem como objetivo criar disposição favorável ao trabalho coletivo. Entende-se a atividade prévia como elemento problematizador do grupo, pois o envolvimento para a discussão e o diálogo filosófico deve ser comum entre os participantes da comunidade.

b) Apresentação (leitura) de um texto – É o ponto de partida da discussão filosófica. Podem-se utilizar vários recursos, materiais para dar início ao trabalho de investigação, como por exemplo: fatos, imagens, produções artísticas, representações, textos, músicas,

c) Problematização do texto – A problematização do texto deve ter como ponto de partida aspectos considerados significativos e importantes pelas crianças. “O momento da problematização é uma excelente ocasião para expandir a capacidade das crianças de perguntarem e porem o mundo em questão” (1998, p.97).

d) Discussão filosófica – É o coração da aula de Filosofia. Na discussão filosófica acontece o diálogo, os questionamentos, a busca e o respeito das opiniões apresentadas pelo grupo fundamentados em critérios, conceitos e idéias filosóficas.

e) Atividade posterior à discussão – Neste momento, a comunidade de investigação faz a sistematização dos pontos discutidos, podendo-se utilizar até mesmo a técnica da auto-avaliação do grupo.

Para que aconteça uma aula de cunho filosófico é importante que esta seja assumida por todos os participantes como compromisso, tendo sempre presente as regras estabelecidas pelo próprio grupo. A rigorosidade neste sentido vem contribuir para a seriedade do trabalho.

Mas o que seria esta Comunidade de Investigação? Segunda Sharp (1999), não há uma definição precisa de comunidade de investigação:

“(...) Uma comunidade de Investigação é ao mesmo tempo imanente e transcendente: fornece um ambiente que permeia a vida diária de seus participantes e serve como um ideal a lutar. (...) a comunidade de investigação tem como estrutura baseada nos dois aspectos de comunidade – o que evoca um espírito de cooperação, cuidado, confiança, segurança e senso de objetivo comum – e investigação – o que evoca uma forma de prática de autocorreção, levada pela necessidade de transformar o que é intrigante, problemático, confuso, ambíguo ou fragmentado em algum tipo de todo unificador, que satisfaz os envolvidos e que culmina, embora experimentalmente, em julgamento” (p.30 e 31).

Neste sentido, a Filosofia e suas sub-áreas de estudo – a epistemologia, a lógica, a metafísica, a estética e a ética – contribuem para uma educação reflexiva, pois é através do pensar por critérios e pela autocorreção que poderemos repensar conceitos e conhecimentos prévios, visto que a própria comunidade de investigação proporcionará maneiras para que o aluno possa aprofundar e reavaliar suas idéias e posicionamentos.

Uma das grandes preocupações atualmente com o ensino da Filosofia é que este esteja fundamentado em critérios, conteúdos, habilidades e competências que precisam ser desenvolvidas, e não simplesmente organizar um momento onde discutiremos sobre assuntos comuns sem rigorosidade e objetivo. Neste sentido, Sátiro (2000), em seu livro “Brincar de Pensar: Livro de Orientações para o Professor.” afirma que as habilidades de pensamento fornecem elementos que contribuem, mais sistematicamente, orientando-nos sobre os critérios, conteúdos, habilidades e competências a serem desenvolvidas na Filosofia. Cabe lembrar que:

(...) tais habilidades não estão concebidas de maneira linear e não podem ser estimuladas separadamente, já que formam uma rede. (...) O mesmo acontece com o pensamento: ao se trabalhar com algum aspecto do pensamento, trabalha-se com o pensamento como um todo. Separamos, classificamos, catalogamos cada uma das habilidades, porque precisamos aprender a conhecê-las e reconhecê-las, pois isso é primordial para realizarmos nosso trabalho educacional com as crianças (p.34).

As Habilidades de Pensamento a serem trabalhadas na Filosofia, segundo Angélica Sátiro, são:

a) Habilidades de Raciocínio. São aquelas que dão vida aos mecanismos mentais de argumentação, utilizadas para defender as próprias opiniões, para justificar uma idéia ou para convencer de uma posição ou atitude. Através do raciocínio, pode-se ampliar o que se conhece, sem necessariamente passar pela vivência daquilo que vem a ser conhecido. De modo geral, a fonte de informações precisas sobre essas habilidades é a Lógica (formal ou informal).

Para que se possam desenvolver as Habilidades de Raciocínio é necessário atividades práticas como, por exemplo: buscar e dar razões, fazer inferências (perceptivas, de intenções, de relações, indutivas), raciocinar hipoteticamente, analogicamente, relacionar causa e efeito, relacionar parte-todo, relacionar meios e fins, estabelecer critérios, detectar falácias, fazer cálculos e resolver problemas.

b) Habilidades de Conceituação e Análise. O pensamento conceitual envolve o relacionamento de conceitos entre si, a fim de formar princípios, critérios, argumentos, explicações capazes de contextualizar, unindo a abstração à linguagem. Sendo assim, a criança quando nomeia os objetos, está abstraindo e conceituando.

Para desenvolver as Habilidades de Conceituação e Análise são necessárias as seguintes atividades: estabelecer distinções e semelhanças, pensar por relações, definir conceitos filosóficos, criar metáforas, agrupar e classificar conceitos, diferenciar tipos de analogias, identificar e decifrar significados, encontrar ambigüidades, localizar conceitos no tempo e no espaço, dar exemplos e contra-exemplos.

c) Habilidades de Tradução e Formulação. A tradução não se limita à transmissão de significados de uma língua natural para outra. Traduzir é transitar entre as variadas linguagens e formas de expressão, sendo assim a tradução pode ser compreendida como uma forma de troca entre linguagem, preservando o significado através da mudança. Cabe lembrar que toda tradução implica algum nível de interpretação e, portanto, de formulação.

No desenvolvimento das Habilidades de Tradução e de Formulação é preciso observar as seguintes atividades: saber ler e interpretar, analisar e sistematizar criticamente fatos e situações, respeitar e escutar os outros, ser sensível, converter problemas em oportunidades, estar apto ao diálogo, ter autocontrole, saber colocar-se no lugar do outro, ser aberto intelectualmente, saber expressar as idéias, ter confiança, improvisar, explicar, traduzir a linguagem oral para mímica, a linguagem oral para linguagem musical, plástica e sintetizar.

d) Habilidades de Investigação. As habilidades de Investigação abrangem a condição de especuladores e a curiosidade própria de cada pessoa, pois é através da prática da reflexão sobre suas descobertas ou pensamentos que está o segredo da aprendizagem. Quando investigam, as crianças abrem novos caminhos, apreendem sobre o mundo e seus mistérios.

Precisam ser observadas as seguintes atividades no momento do desenvolvimento desta habilidade: adivinhar, averiguar, formular hipóteses, observar, supor, criar e buscar alternativas, antecipar conseqüências, imaginar, criar, inventar, planejar, trabalhar e decidir em grupo, distinguir boas e más razões, pedir e dar exemplos e contra-exemplos, desenvolver a autocorreção, detectar, justificar e questionar pressupostos, buscar sentido, elaborar perguntas.

Ao falar sobre critérios filosófico-pedagógicos, referi-me também aos aspectos acima descritos como elementos que fazem parte deste contexto, visto que estas habilidades que incluiríamos num grande grupo de habilidades de pensamento, são necessárias para que se efetive uma verdadeira Educação para o Pensar, baseada em conteúdos, ou melhor, conhecimentos que precisam ser desenvolvidos nas séries ou níveis da educação, dentro de um processo gradativo de aprofundamento, respeitando a idade cronológica dos alunos e suas experiências de vida.

Se acreditarmos que é possível a criança trabalharem coletivamente, cooperativamente, construindo seu pensar e seus saberes a partir da colaboração de seus colegas, dentro de uma Comunidade de Investigação, que se escutem mutuamente, dando boas razões para seus juízos, que saibam autocorrigir-se, que problematizem e sejam sensíveis ao contexto, é importante que esta forma de ensinar e de aprender seja aberta a todas as disciplinas, tendo um enfoque interdisciplinar, possibilitando através da reflexão filosófica uma construção do conhecimento mais rica, comprometida e prazerosa.

1.2. A Arte e sua importância no desenvolvimento da aprendizagem.

Partindo do pressuposto que a criança olha, cheira, toca, ouve, se move, experimenta, sente, pensa... e que o corpo é ação e pensamento, pode-se afirmar que ela é um todo em relação ao mundo que a cerca, pois precisa interagir com o meio para que possa construir o seu conhecimento e fazer novas descobertas. A criança está atenta e aberta às experiências e ao mundo, sem medo dos riscos, por isso arrisca-se... Vive intensamente, maravilha-se com tudo que está ao seu redor.

Neste sentido, o pensamento se dá na ação, na sensação, na percepção, através do sentimento. Através deste processo de construção e de descoberta do mundo, ela vai ampliando seus horizontes de sonhos e conhecimentos na relação com outras pessoas, com o mundo, com os objetos, adquirindo com isso as percepções iniciais que influenciarão toda a sua subseqüente compreensão do seu contexto de vida.

Assim é a Arte em todo seu contexto. Pensar o ensino de arte é também pensar o processo de poetizar, fruir e conhecer Arte. Poetizar no sentido de se encantar com tudo que nos rodeia, sendo capaz de se emocionar, criar, imaginar, fantasiar. Fruir é sem dúvida nenhuma, aproveitar o momento da descoberta como se fosse único e todo seu, a única possibilidade de prazer e encantamento. Já o conhecer é algo que simplesmente se une para dar sentido e significado a tudo, seria a razão das descobertas, das vivências, das experiências, da evolução, do progresso, da transcendência. O ensino de arte é, então, pensar na leitura e produção na linguagem da arte, o que, por assim dizer, é um modo único de despertar a consciência e novos modos de sensibilidade, emoção, medos, conhecimentos.

A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana. Este componente curricular favorece ao aluno relacionar-se criadoramente com outras disciplinas do currículo. Podem-se estabelecer relações mais amplas quando estuda um determinado período histórico, exercitar sua imaginação construindo textos, desenvolver estratégias pessoais na resolução de problemas, conhecer outras culturas, valores, além de perceber, valorizar e problematizar a sua realidade cotidiana.

A arte solicita a visão, a escuta e os demais sentidos como portas de entrada para uma compreensão mais significativa das questões sociais, valores que governam os diferentes tipos de relações entre os indivíduos na sociedade. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997), a Arte é assim vista:

“O conhecimento da arte abre perspectivas para que o aluno tenha uma compreensão do mundo na qual a dimensão poética esteja presente: a arte ensina que é possível transformar continuamente a existência, que é preciso mudar referências a cada momento, ser flexível Isso quer dizer que criar e conhecer são indissociáveis e a flexibilidade é condição fundamental para aprender”.(p.20 e 21).

A Arte como componente curricular precisa ser trabalhada observando alguns critérios fundamentais, que são seus campos fundamentais:

a) O conhecimento artístico como produção e fruição. O conhecimento artístico não tem como objetivo definir leis e compreender como as coisas são, nem mesmo conceituar como elas se encontram ou se formaram. A intenção da arte é que através das formas artísticas, combinações de imagens, a criança possa ter o domínio do imaginário, da criatividade. A produção neste sentido tem a intenção de desafiar o cotidiano para revelar como as coisas que estão ao nosso redor poderiam ser, expressando desta forma através da linguagem da arte seus pensamentos, idéias, emoções. A obra de arte apresenta o resultado da experiência humana, é o seu produto histórico/cultural.

A fruição acontece no momento em que os espectadores ao apreciarem uma obra de arte, posicionam-se e dão sentido e significado às obras observadas. A significação, a compreensão, está na interação entre o espectador e a obra de arte. O conhecimento através da fruição se dá a partir das relações significativas, das percepções das qualidades de linhas, texturas, cores, sons, movimentos. O sentimento, a intuição, a apropriação da obra de arte como elemento seu, faz com que a criança perceba-se como sujeito parte daquele contexto, conseguindo desta forma que ela possa imaginar-se dentro deste processo, além de conceber idéias e situações novas.

Tanto na produção quando na fruição – apreciação – estão presentes habilidades de relacionar e solucionar questões propostas pela organização dos elementos que compõem as formas artísticas. Conhecer arte envolve o exercício conjunto do pensamento, da intuição, da sensibilidade e da imaginação.

b) conhecimento artístico como reflexão. Para que aconteça a produção de sentidos e assim o enriquecimento do seu conhecimento sobre a arte, é necessário que aconteça o processo de investigação sobre o campo artístico como atividade humana. É a partir deste momento que o conhecimento que está sendo construído começa a ser contextualizado no tempo, num sentido histórico, e no espaço. “A experiência de refletir sobre a arte como objeto de conhecimento, onde importam dados sobre a cultura em que o trabalho artístico foi realizado, a história da arte e os elementos e princípios formais que constituem a produção artística, tanto de artistas quanto dos próprios alunos”.(PCN, 1997, p.43 e 44). O repensar no já pensado, que é o processo de reflexão, proporciona uma aprendizagem rica em significados para o processo de construção do conhecimento.

Aprender arte, nesta perspectiva envolve não apenas uma atividade de produção artística pelas crianças, mas também a conquista da significação do que fazem, pelo desenvolvimento da percepção estética, tendo o contato com o fenômeno artístico visto e estudado.

A criança que passa por este processo de aprendizagem, consegue desenvolver potencialidades que podem ser alicerçadas a consciência do seu lugar no mundo e também contribui para sua capacidade de relacionar os conteúdos dos outros componentes curriculares a sua construção do conhecimento.

Gardner, autor da teoria das inteligências múltiplas, afirma que os primeiros conhecimentos realizados pelas crianças são de certa forma intuitivos, pois, são construídos a partir das interações com objetos físicos e com outras pessoas, adquirindo através de sistemas de percepções sensoriais e interações motoras, estimuladas pelo mundo externo. Relações de causa-efeito, compreensões da natureza e da constituição de objetos e do mundo, também dos números, formarão a base de teorias que surgirão depois. Neste sentido, a criança passa por um processo de construção para a elaboração do seu conhecimento baseada nas descobertas e experiências vividas. No livro Didática do Ensino de Arte, as autoras contextualizam este processo da seguinte maneira:

(1º) O modo intuitivo de estar no mundo

A imitação é também um dos fatores que são necessários nesta fase, pois é através dela que a criança produz ações (gestos, escrever, pintar, agir, desenhar, recortar, cantar, dançar, tocar...) e começa a interessar-se pelas coisas que a rodeia.

(2º) O modo simbólico de mostrar o mundo

A função simbólica é o centro do processo de ensino-aprendizagem. A criança constrói seus símbolos através de suas ações e de diferentes formas de linguagem, representa os objetos e as ações sobre eles, representando também seus conceitos. São representações sobre as representações, buscando dar significado sobre as ações verbais, visuais, gestuais, sonoras. A linguagem verbal é um sistema simbólico fundamental, mas não o único. A arte tem um papel prioritário no exercício dessa competência, pois é através das experiências artísticas que o significado e o sentido vão dando asas à imaginação e ao conhecimento.

(3º) O modo noticioso de mostrar o mundo

A criança vive intensamente a leitura e a produção sígnica do mundo. Apresenta a realidade de maneira a noticiar o que viveu, experienciou, de forma que, aos poucos, dentro de um processo de observação, vá enriquecendo seus registros para que este fique com a mais “pura” realidade do que ocorreu.

Neste sentido, o desenho, o registro, vai ganhando vida própria, pois fica completamente rico de detalhes, de percepções, de observações, de sentimentos e de pensamentos que irão ser demonstrados para todos aqueles que o lerem a partir da sua construção.

(4º) O modo de pensar sobre o pensar

O pensar sobre o pensar seria a reflexão do que já foi pensado, isto é, é a abstração e a compreensão maior dos fatos e acontecimentos que estão ao nosso redor. Este pensamento acontece quando as crianças começam a problematizar, analisar, observar o que está ao seu redor, com um olhar mais crítico, investigativo e criterioso em busca do saber “verdadeiro”.

Neste sentido, o prazer de manejar e explorar, a ótica de ver-pensar-sentir o mundo, a maneira de se expor, de se sentir e se posicionar nas mais diversas situações do dia-a-dia fazem com que as crianças comecem a perceber idéias de formas diferentes.

A Arte nos possibilita a junção entre pensamento e sentimento que nos ajuda a significar o mundo. Assim, o ser humano é a soma de suas percepções singulares, únicas que buscam o constante despertar, no sentido da constante busca do conhecimento.

1.3. Filosofia e Arte: em busca de uma educação estética

Qual a relação entre a Arte, a Filosofia e as Crianças? Após o que foi relatado anteriormente, poderíamos dizer que elas podem fazer um elo de ligação como metodologia de ensino no processo de ensino e aprendizagem das crianças?

Muitos autores afirmam que as crianças naturalmente são criativas, críticas, investigadoras, reflexivas. Tem como algo natural em sua personalidade o maravilhar-se com a vida. Ela naturalmente tem o desejo da descoberta, da investigação, do intrigar-se com tudo que a rodeia. Mas o que tem a ver tudo isso com a Arte e a Filosofia?

Turgeon[1] (1999), em seu texto “O Espelho da Educação Estética: A Filosofia olha para a Arte e a Arte olha para a Filosofia” faz uma referência sobre a diferença entre a educação artística e a educação estética. Segundo ele, a educação artística parece ser a realização de arte, isto é, é o fazer, a produção, não tendo a preocupação de analisar ou criticar as obras feitas através de uma reflexão, apenas utilizam-se recursos e materiais para a criação de formas, linhas, desenhos, encarados com atenção, planejamento e domínio rigoroso das técnicas artísticas.

Já no sentido da educação estética, o autor referido acima, afirma que é preciso oportunizar formas onde as crianças “se envolvam na própria Arte como atividade criativa e como convite à reflexão crítica” (idem, 1999, p.421).

Na educação estética, seria dada ênfase há vários aspectos, dentre eles, a criação, onde as crianças teriam o conhecimento artístico, como também estudariam a história da Arte, e a relação possível da Arte com a sua vida afetiva, cognitiva e psicomotora, tendo presente o desenvolvimento do pensamento autônomo, crítico, criativo e criterioso.

Matthew Lipman & Kieran Egan em seus estudos e pesquisas realizados acerca da expressão artística afirmam que as crianças no decorrer dos anos, conforme vão crescendo, proporcionalmente suas experiências artísticas vão ficando mais medíocres e formulistas. Por quê? Cabe a nós educadores pensarmos como desenvolvemos o nosso trabalho diante desta realidade.

Segundo Gardner o ser humano é detentor de múltiplas inteligências: musical, interpessoal, intrapessoal, lógico-matemática, lingüística, espacial, cinéstesico-corporal, naturalista. Temos potenciais diferentes, mas todos nascemos com capacidade para desenvolver todas as inteligências e que fazemos isso naturalmente, tendo apenas que sermos desafiados a fazê-lo.

Mas que oportunidades a escola oferece para que estas potencialidades desenvolvam-se completamente? Não falo de espaço físico, mas sim de um trabalho efetivo onde os alunos e educadores possam colocar em seu dia-a-dia, de forma a conduzir todo o processo de ensino e de aprendizagem, a Filosofia com seus questionamentos, habilidades de raciocínio, formação de conceitos, enfim todos os aspectos necessários para um bom desenvolvimento da Educação para o Pensar; e a Arte, tendo presente que esta não é apenas o desenvolvimento e o despertar de cores e conceitos (educação artística), mas sim o despertar de sentimentos, sensibilidades através de conteúdos, habilidades e competências específicas do ensino da Arte (educação estética).

A Arte e a Filosofia proporcionam situações onde as crianças podem desenvolver a habilidade de pensar por elas mesmas, adquirindo desta forma o pensamento autônomo e independente, sendo “capazes de refletirem sobre sua própria situação no mundo(...) preparada para reavaliar seus valores e compromissos mais profundos, e mesmo sua própria identidade.” (Splitter & Sharp, 1999, p.28).

O desenvolvimento das capacidades de raciocínio e pensamento, tendo como ponto de partida um pensamento reflexivo, crítico e criterioso embasado na Comunidade de Investigação - Educação para o Pensar; a Filosofia para Crianças pode ser assim entendido como “(...) uma comunidade de investigação, as crianças desenvolvem e ampliam sua competência por um leque de estratégias de pensamento que são por si mesmas interligadas e interdependentes” (Splitter & Sharp, 1999, p.33).

Como foi mencionado anteriormente, a criança é um todo e desta forma precisa ser valorizada como tal. O que se pretende é unir a Arte e a Filosofia, encontrando meios para educar, cujo principal objetivo seja o desenvolvimento pleno das habilidades e capacidades filosóficas, artísticas e criativas das crianças.

Considerações Finais

“Os novos parâmetros apresentados pelas modernas teorias educacionais determinam que a escola represente não apenas um ambiente de transmissão de conhecimento, mas também uma arena para o debate das grandes questões humanas e sociais.” (Sharp,1999)

Partindo deste princípio onde a Escola, precisa estar constantemente atualizada, aberta e flexível com as mudanças que bate a sua porta a todo o momento, além de ter alunos com diferentes modos de pensar e agir, potencialidades e realidades diferentes é preciso que interaja com sua comunidade educativa em busca de uma educação que pelos menos, tente suprir as necessidades atuais.

Temos a clareza que o papel da escola e da educação atual é desenvolver em nossos alunos potencialidades e competências, pois as exigências do mundo globalizado, fazem com que os profissionais que atuarão no mercado de trabalho sejam pessoas autônomas, eficazes, competentes.

Uma educação que apenas desenvolva conteúdos e conhecimentos estarão colocando de lado formas e maneiras de agir próprias de cada ser humano, desperdiçando desta forma todo seu potencial criador e reflexivo.

Como é que uma criança vai posicionar-se diante de situações do dia-a-dia, se nem mesmo teve a possibilidade de entrar em choque com posicionamentos diferentes dos seus? Penso que a educação não se faz na fala, e sim na vivência, na prática, tendo o suporte de uma fundamentação teórica.

Uma educação baseada em valores, atitudes, reflexões, formas de expressão, possibilitam uma vivência concreta das mais diversas situações, onde cotidianamente, as crianças serão desafiadas a crescerem, posicionarem-se, atuarem, criarem, proporem situações e resoluções de problemas, enfim estarem também abertas e flexíveis para enfrentar este mundo tão cheio de elementos novos.

Acreditamos que a educação e a escola necessitam proporcionar momentos para que tanto educadores, quanto pais, mobilizem-se em busca de estudo para ampliar seu leque de conhecimentos.

É também com esta intenção que pensamos numa educação baseada na Arte e na Filosofia como elementos metodológicos, pois elas nos dão suporte interdisciplinar para atuarmos em sala de aula como fios condutores do processo de ensino e de aprendizagem. Uma educação fragmentada, sem dar luzes à realidade do aluno, não terá significação alguma, pois desta forma não há referências para ampliação de conhecimentos.

Ensinar em conjunto com a Arte e a Filosofia está associado à compreensão mais clara daquilo que é ensinado. Para tanto, é importante que se faça estudos prévios para que possa adequar os conhecimentos específicos de cada componente curricular em questão com os conhecimentos específicos de cada série, levando em consideração a realidade de seus alunos.

[1] Ver texto “O espelho da educação estética: A Filosofia olha para a Arte e a Arte olha para a Filosofia.” – parte da obra de KOHAN, Walter & LEAL, Bernardina. Filosofia para Crianças em debate. Petrópolis: Vozes, 1999.

--------------------------------------------------------------------------------

Lisângela da Silva Antonini - Pedagoga, Pós-graduada, (Especialização) em Educação Infantil e Alfabetização pela Faculdade Plínio Augusto do Amaral - SP, e em Metodologia do Ensino de Filosofia no Ensino Médio e Fundamental pela Universidade de Passo Fundo - RS. Coordenadora pedagógica da Educação Infantil e Séries Iniciais (1a a 3a série) do Ensino Fundamental da Escola de Ensino Fundamental Menino Jesus – Notre Dame, de Passo Fundo – RS, e coordenadora do ensino de Filosofia na mesma escola.