Como o Professor Deve Atuar em Sala de Aula na Era da Informatização.

Autora: Jussara Agostini Margotti

Introdução

Hoje em dia é impossível imaginar qualquer projeto de inovação e de mudança que não passe pelo investimento positivo dos poderes das famílias e das comunidades.

A precariedade em que as escolas funcionam, os baixos salários dos professores, a não

informatização da rede pública, a falta de qualidade do ensino e questões de ordens políticas fazem-se geradores de diferenças.

Sabemos que a escola da rede privada já tem feito investimentos em computadores, redes, internet e home-page.

Serão necessários para uma atitude formadora do professor cinco eixos norteadores: o teórico e o prático, a integração dos saberes, preparação para a participação social, atitude teórico-crítica e a prospectiva na formação de professores.

Uma educação prospectiva deve transcender todas as formas de pedagogia ou aprendizagem da limitação e da autolimitação. Para isso é necessário produzir transformações nos alunos em quatro campos diferentes interconectados: domínio afetivo, domínio cognitivo, domínio metacognitivo e domínio interpessoal.

Material e Métodos:

O computador tem diversas finalidades de uso: folha de pagamento, produção de um livro, edição de um vídeo-clip; recursos de multimídia, som, imagem, texto; respostas imediatas, feedback, redimensionamento do que está sendo realizado e virtualidade das informações processadas.

Hoje o que temos nas escolas são os laboratórios de informática, onde os computadores ficam centralizados e a informática como uma disciplina da grade curricular, com 45 minutos de aula, provas para nota e número reduzido de alunos com acesso a esta tecnologia.

Atualmente as ferramentas de trabalho do professor estão sendo o quadro, o giz, o vídeo, a TV, o som, os mapas, os livros, os gibis, as revistas, os jogos pedagógicos, a cola, a tesoura, o lápis de cor somado ao laboratório de computadores.

O uso do computador vai depender do professor do qual poderá utilizá-lo, como: fonte de informação na internet ou em software; meio de comunicação e discussão de informações, e-mails e fóruns; como ferramenta para registrar informações, editores de texto, editores de imagem e som; organizador de informações, bancos de dados ou software de apresentação; ferramenta de apoio para trabalhos; registro de informações, etc.

Conclusão

No processo ensino-aprendizagem o professor pode usar o computador na circulação de informação, o que permite sua apropriação pelo aluno; no erro, que é encarado de forma natural e a virtualidade das informações permite que todo processo possa ser feito/refeito; nos recursos multimídia (som, imagem, texto) possibilitando transmissões de informações de forma mais rica; na possibilidade de o aluno conduzir seu processo de investigação de informação; através do uso de software, o aluno pode produzir material que apresente beleza estética que ele ainda não conseguiria sem os recursos da informática e através do ensino à distância.

Com relação aos fatos negativos causados pelo computador podemos dizer que isola as crianças; tira o poder do professor como único detentor de informação; faz o professor dizer não sei.

Importante salientar que não é uma técnica ou uma ferramenta que fará a diferença mas, a escuta e o olhar, únicos dos verdadeiros profissionais.

Estarão em jogo o desenvolvimento emocional, os interesses; os recursos 24 horas pela internet, trabalho contínuo; o poder virtual.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

-Revistas/Periódicos

EDUCAÇÃO, nº 213, pág. 66, janeiro 1999.

EDUCAÇÃO, nº 211, pág. 34 a 43, novembro 1998.

-INTERNET

www.abpp.com.br/artigos_envia-htm

www.psicopedagogia.com.br/mall/anuncio.asp

www.psicopedagogia.com.br

www.psicopedagogiaonline.com.br

-Livros

DELORS, JACQUES. Educação: Um Tesouro a Descobrir. Editora Cortez, São Paulo, 1999.

ORLANDO, VITO. Internet e Educação. Co-edição da Editora Salesiana Dom Bosco com o Centro

Universitário UNISAL, São Paulo/SP.

SERBINO, VOLPATO RAQUEL. Formação de Professores. Editora da UNESP, São Paulo, 1998.

-Monografias

BENEDETTI, B ARREJANE. A Informática como Instrumento de Apoio em Psicopedagogia. Curso

de Especialização em Psicopedagogia, UNIVEL / INBRAPE, Cascavel Paraná, 1999

Jussara Agostini Margotti - Psicopedagoga – Autônoma e professora Voluntária da Escola Municipal Emilia Galafassi.