Amamentação e Saúde Bucal - Combinação Perfeita

Autora: Drª Margareth Pandolfi

Nos últimos anos, o aleitamento materno tem se colocado em posição de destaque como medida de promoção de saúde, fazendo parte de campanhas nacionais, sendo também incluído como política de saúde.

A importância do aleitamento materno tem sido abordada sob vários aspectos. As vantagens do aleitamento materno pode ser vista sob quatro aspectos: sob o aspecto emocional da mãe e do bebê; sob o aspecto nutricional do bebê; sob o aspecto imunológico; e sob o aspecto mio-funcional.

Emocionalmente, a literatura relata, que o aleitamento materno evita a depressão pós-parto na mãe e favorecem a liberação de hormônios associados à plenitude do prazer, no bebê promovem o contato físico, possibilitando estimulo sensorial (pele a pele); auditivo (quando mama o bebê ouve o coração da mãe), visual (o campo de visão é curto, ele tem proximidade com a mãe) e afetivo (sente o cheiro da mãe), sente-se também protegido e aconchegado, proporcionando segurança exercita a paciência e perseverança.
Sob o aspecto nutricional comprovadamente o leite materno tem todos os nutrientes necessários para o seu perfeito crescimento e desenvolvimento do bebê.

Sob o aspecto imunológico, é também comprovando o bebê não é capaz de produzir seus próprios anticorpos, somente aos 03 três meses ele terá seu sistema de defesa imunológico desenvolvido. Substâncias importantes como IGA, lisozimas, mucínas, prolacticia, e fatores de crescimento epidérmico estão presentes no leite materno evitando diarréias bacterianas e virais, atacando células que contenham bactérias, que podem acatar doenças favorece o desenvolvimento cerebral, previne infecção urinárias entre outras.

Talvez o menos divulgado de todos os motivos para o aleitamento materno seja o aspecto miofuncional (funcinalmente muscular).
Quando o bebê nasce o crânio cefálico (parte onde está o cérebro) e o crânio facial são desproporcionais em tamanho. A face é muito menor e mais horizontalizada, isto é, é maior no sentido horizontal do que vertical. Está disposição é fisiológica, e existe para favorecer o parto e a pega, (o contato dos lábios do bebê com o mamilo) na hora de mamar.

No momento da amamentação, o bebê cerra o maxilar superior e inferior, colocando entre eles o mamilo, faz duas a três sucções, (ordenha) e a língua, que assume nesse momento um formato de cunha, segura o leite e faz a deglutição (ato de engolir). Então uma pausa é feita para que ainda com lábios vedados, o bebê possa puxar o ar pelo nariz (respirando). Assim o ciclo se repete, estabelecendo a respiração nasal.

A atividade muscular, óssea e neural no aleitamento promove o trabalho dos músculos e ossos da face, associado ao fato do bebê respirar ar frio, aquece-lo, provocando expansão óssea e ao fato genético promove o crescimento e desenvolvimento facial de forma equilibrada.

Se a amamentação no seio por qualquer motivo for interrompida, ocorrendo o desmame precoce (uso de chupetas, mamadeiras, dedo entre outros fatores) a sucção, a respiração, a deglutição, a fala, o crescimento e desenvolvimento facial e corporal, a postura da cabeça e do pescoço e até mesmo a postura da coluna do bebê e da criança em fase mais adiantado podem sofrer interferências, podendo acarretar à criança ou adulto obeso, baixo peso, problemas de coluna, dificuldades de aprendizado e concentração, insônia, apnéia do sono, hiperatividade, agressividade, cansaço físico, baixo rendimento da prática de esportes. Esses distúrbio físicos e comportamentais que acabem por diminuir a qualidade de vida do indivíduo. Associados aos produtos industrializados, que não se assemelham em nenhum aspecto nutricional ao leite materno, e não favorecem a instalação do sistema imunológico, podem gerar renite alérgica, afecções das amígdalas, faringes, hiperplasias das amígdalas, afecções do ouvido médio, afecção cardíaca, sinusites, lentidão do aparelho digestivo, desordens intestinais, anemias, entre outras sequelas associadas à obstrução nasal na primeira infância.

O papel dos profissionais de saúde frente a tais desafios é não esquecer nunca da essência do ser humano "Todo ser tem o direito à vida" - Tem direito a mamar no peito. É um "ato ecológico" - politicamente correto - não polui e faz bem a saúde. Todo profissional da área de saúde, educadores e pais ou responsáveis. Deve conhecer tais aspectos e estar integrado aos Cirurgiões dentistas para que quando as primeiras seqüelas patológicas do crescimento aparecerem, possa ser feito o diagnostico e intervenção precocemente e antes disso o Cirurgião Dentista ao prestar atenção Odontológica durante a gestação e ao bebê pode evitá-las.

Para que as seqüelas citadas não se estendão até a idade adulta, sendo consequentemente difícil e até mesmo impossível a reabilitação total do indivíduo.
Mamar, engolir, respirar e mastigar são reflexos vitais, não deixe que nada interfira com a vida do seu bebê consulte um Cirurgião Dentista.